Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

A História não se repete (2): "Pressões"? Que pressões!

Em finais de 1986, publiquei no jornal "Semanário" um artigo no qual me insurgia contra o pudor (ou seria vergonha? ou terá sido medo, puro e duro?) com que o Governo, de que era Primeiro-Ministro Aníbal Cavaco Silva, tratou o assassinato do que fora seu Director-Geral das Prisões, e por isso enfrentara todas as ameaças, sofrera a maior das pressões, sobretudo nos media - que passaram meses a fotografar e destacar as manifestações e protestos da "Associação de Familiares e Amigos dos Presos Políticos" (FP's 25) junto da Direcção Geral das Prisões, junto do Estabelecimento Prisional de Lisboa, (nunca junto do Ministério), contra as condições prisionais, pelos direitos dos presos). A mobilização e as denúncias visavam directamente o Director-Geral, obrigado a manter a disciplina, nas instalações que tinha, cumprindo as ordens do juiz, quaisquer que fossem. Cozinhava-se o caldo de cultura, preparava-se o terreno, que havia de conduzir ao assassinato de Gaspar Castelo Branco, consumado em Fevereiro de 1986, depois da fuga do EPL de um grupo de reclusos das FP-25.

 

Aquilo é que foram pressões! Pois nunca Cavaco Silva, que era o PM, e por isso automaticamente o primeiro responsável pelas condições prisionais que eram atiradas à cara do director-geral, nem Ramalho Eanes que era o PR, receberam em audiência aquele homem "pressionado". Ele não se queixou na comunicação social. E também não pediu audiências. De facto: tomou sobre si todas as responsabilidades do seu cargo, enfrentou sozinho o que tinha de enfrentar. Mas não teria ficado mal que depois do assassinato o PM recebesse em audiência a família, a mulher e os filhos menores (o mais velho dos quais tinha 17 anos), de um assassinado ao serviço do Estado.

 

Quando o mesmo Cavaco Silva avaliza com a audiência concedida queixinhas de "pressões" bem discutíveis, relembro aqui na íntegra o artigo que publiquei no Semanário em 28 de Dezembro de 1986:

 

Gaspar Castelo Branco: foi decidido esquecê-lo

 

Era uma tarde de sábado, de chuva miudinha, igual a tantas outras. Gaspar Castelo-Branco tinha amigos para jantar e faltava-lhe o queijo. À primeira aberta, já ao cair da noite, resolve dar uma saltada ao comerciante da zona. Saiu, por uns minutos. Foi morto com um tiro na nuca, disparado à queima-roupa, no passeio em frente à casa onde morava.

publicado por JTeles às 01:14
link do post | comentar

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. A História não se repete ...

.arquivos

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. todas as tags

. 72 virgens ou 72 uvas ? O...

. Daily Show investiga soci...

. Leituras de domingo

. Que faz o MP? Onde pára o...

. D. Januário envergonhado ...

. A História não se repete ...

. Hannibal ad Portas

. Saramago contra as FARC:...

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds